Neuroimunologia

Neuroimunologia

Doenças neurológicas são causadas por diversos mecanismos: genéticos, ambientais e imunológicos. O sistema imunológico é composto pelos leucócitos e proteínas circulantes: os anticorpos, o sistema complemento, as citocinas e quimiocinas, dentre outros.

O sistema nervoso (SN) se divide em sistema nervoso central (SNC) e periférico (SNP), e compreende várias estruturas: cérebro, tronco encefálico, cerebelo, medula espinhal, nervos cranianos, raízes nervosas, sistema nervoso autônomo, junção neuromuscular e músculo.

A ação dos elementos do sistema imunológico – células, anticorpos, citocinas – originando inflamação, na ausência de bactéria, vírus ou fungo, em componentes do SN desencadeam as doenças auto-imunes neste sistema, objeto de estudo da Neuroimunologia.Tais doenças estão listadas na página proposta.

Nas doenças desmielinizantes do SNC o alvo principal do ataque auto-imune é a mielina como na Esclerose Múltipla (EM), na encefalomielite aguda disseminada (ADEM, sigla da doença em inglês: Acute Disseminated Encephalomyelitis), ou na neurite óptica e mielites isoladas. No SNP ocorrem a síndrome de Guillain-Barré (SGB), a polirradiculoneuropatia inflamatória disseminada crônica (PIDC), a síndrome de Lewis-Summer e a neuropatia motora multifocal (NMM). Na miastenia gravis o alvo de ataque são os receptores de acetilcolina na placa motora, na polimiosite e na miosite por corpos de inclusão o alvo são proteínas do músculo; na poliganglionopatia sensitiva é o gânglio da raiz dorsal.

Doenças auto-imunes sistêmicas podem evoluir com comprometimento do SNC ou do SNP como é o caso do lúpus eritematoso sistêmico (SLE), produzindo as manifestações neuropsiquiátricas, resultante da agressão do SNC por linfócitos, auto-anticorpos. Vasculites primárias no SNC ocorrem com menor frequência.

Por outro lado, na hanseníase, na presença do agente infeccioso ou muito tempo após sua eliminação, a ação do sistema imune sobre os nervos periféricos é a base da imunopatogênia da neuropatia hansênica que frequentemente acompanha esta condição.

Posto que, cada doença apresenta mecanismos patogênicos distintos e novas evidências científicas são rapidamente incorporadas no seu entendimento, propomos atualizações continuadas desses temas.

Posts Recentes

  1. Recomendações da Academia Brasileira de Neurologia para o uso de Vitamina D em Esclerose Mültipla Comentários desativados